sexta-feira, 24 de março de 2017

E Ter Espinha Dorsal? [ACTUALIZADO]

É impressionante e triste. Tal como o Vila Pouca bem retrata aqui, o beija mão e a subserviência das estruturas organizativas do futebol não é só preocupante - é ofensiva. 

A forma como ardem as orelhas aos meninos e lá vão ao acto de contrição é deveras absurda, mas demonstrativa do estado de coisas. Somos mesmo nós contra o mundo e nada mais há a esperar. 

Não deixa de ser curioso que Pedro Proença fale numa liga "forte mas eficiente e discreta no seu trabalho" e depois vá fazer estas figuras patéticas.

De uma vez por todas, estes senhores têm de compreender que o que devem fazer é dar condições aos 18 clubes para se equilibrarem o mais possível, no sentido de tornar a liga competitiva, e, no caso da Federação, no fundo entender que só estão a prejudicar-se a eles mesmos ao oferecer campeonatos batoteiros às papoilas. Se querem que o Campeonato português permaneça uma piada, continuem. Estão num bom caminho.

É que entrevistas como estas - porque é que Casillas não é o nosso Capitão, pelamordasanta? - correm mundo inteiro, e vossa complacência para com clubes prevaricadores que, por ter as costas quentes, ainda se acham no direito de mandar bocas, arrasta a respeitabilidade e emotividade do Campeonato português pela lama, e tenho a certeza que isso influi, e muito, nos patrocínios e afins.

Campeonatos mentirosos, campeonatos de qualidade média muito baixa, não vão ser vibrantes e atrair olhares estrangeiros e respeito. Não vale a pena insistir que não acontecerá. Entretanto continuem. Continuaremos a vencer. E a combater todo este estado de coisas. Contra tudo e contra todos, sempre.

ADENDA:

O que aconteceu a Inácio Pereira  é que é mais difícil, não é Duartinho? É, eu sei, és curto de visão, vês penaltis em bola que batem na cabeça e no peito, enfim, uma maravilha!

"São crimes que devem ser denunciados porque podem toldar a sua lucidez em campo. Espero que se saiba o que aconteceu. Este tipo de ameaças ferem a idoneidade e integridade dos árbitros", dizes.

Concordo.

Por isso é que Artur Soares Dias teve uma arbitragem imaculada no jogo seguinte e Inácio Pereira validou aquele golo escandaloso do Mitroglou para a Taça contra o Estoril!


Fala-se de jogo, quer-se "ligas fortes e discretas" e, logo a seguir, saem estes vermes da toca. E são estes vermes que enojam!

quarta-feira, 22 de março de 2017

Contra O Desígnio Nacional

Vivemos tempos complicados em que ser Portista é difícil. É difícil graças à forma como tudo parece articulado para ir no sentido inverso de nós, e fazemos uma luta isolada contra um poder bafiento, antiquado, e com ramificações tentaculares que vão ter a todas as organizações desportivas.

É, por isso, uma guerra quase sem quartel - temos o Dragão e nada mais - e é bastante propensa a ser inglória, uma vez que é feita de uma forma isolada. Somos os estraga-festas. O País parece alegremente dançar ao som da música do desígnio nacional ficaben, e até clubes do Norte, como o Tondela, Arouca ou Braga vão ao beija-mão. Aliás, sentem-se confortáveis neste papel submisso e deprimente.

O controlo chega a ser de tal forma que até aqueles que nos odeiam - como o ratazana - se rendem às evidências da mentira que é mais um campeonato e acabam, engolindo em seco, que temos muitas e variadas razões de queixa. 

A justiça desportiva também é feita à lá carte e com diferentes pesos e medidas (via 92º Minuto)  consoante os intervenientes. Tudo - absolutamente tudo - premeia quem se opõe a nós e estende a passadeira aos "escolhidos". Veja-se o caso chamada absolutamente ridícula do fiteiro Varela à Selecção. Se não é afronta parece.

Mas largos dias têm cem anos. Convém, quando as coisas virarem, ter memória: há quem não possa, nunca mais, dar-se bem connosco. Foram aqueles que nos enfiaram a faca quando nos tentávamos erguer. Que se faça desses um exemplo.

terça-feira, 21 de março de 2017

Gasolina! [ACTUALIZADO]

Como criancinhas cheias de medo - e porque sabem que, na verdade, o facto do FC Porto não lhes ter passado à frente não os fez passar a jogar melhor - já começaram, através dos seus peõezinhos, a tentar "desestabilizar". "Ai que o Ederson nem sabia" e "mais coacção do FC Porto, inadmissível!". Ridículo!

Vamos começar por esta última parte. Dizer a um árbitro que este antijogo não de admite é coacção. Já estes factos relatados por Bernardino Barros , que denuncia as pressões sobre o árbitro Inácio Pereira que, curiosamente, foi quem validou o golo em escandaloso fora de jogo de Mitroglou contra o Estoril, com o carro riscado e ameaças a si mesmo e à família, a 17 de Fevereiro, estes factos são o quê? Festinhas?!

E ignorar estes factos é um talento extraodinário! Claro que não apreceram nem foram falados na bolha e no rascord! Não surpreende, estes tristes que nós já sabemos que a bolha é a Marca dos papoilas e o rascord é o Ás das papoilas, e que estas coisinhas são só alimento e gasolina para irmos para cima deles! Muita colagem no placar do balneário vai haver! Continuem!

NOTAS: Como podem os jornais em questão dizer que são isentos? Só Portistas muito... distraídos... poderão pensar que há isenção e equidade. E quanto a Domingos Freitas do Amaral, acho absolutamente demonstrativo o facto de este nunca conseguir olhar Bernardino Barros nos olhos, o que me parece ser um bom indicador da personalidade do dito!

Há jogadores de futebol mais ou menos talentosos. Há quem saiba driblar, defender, fintar e marcar golos melhor do que outros. Há quem seja, pura e simplesmente, canalha. Bruno Varela e Vasco Fernandes não merecem as chuteiras. Não duvido que a vida lhes dará a resposta merecida.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Análise FC Porto 1-1 Vitória de Setúbal - Meninices

Não tenho pachorra, sinceramente. Não tenho pachorra para ver os mesmos erros e as mesmas boçalidades repetidas semana, após semana, após semana. Vamos aos factos.

Em primeiro lugar, o anti-jogo. Esse é, em primeiro lugar, um problema da Federação e da Liga. Dizia há dias Pedro Proença, e eu ri-me à gargalhada, que ele queria fazer parte do Big 5. Meus amigos, esta semana Gareth Bale criou polémica por esta Europa fora ao declarar que "na Premier League não dá para fazer gestão, ao contrário de muitos jogos da La Liga" - o que é absolutamente verdade - e que o desgaste é muito maior. Quer então, o Dr. Proença fazer parte das grandes ligas europeias? Como? Sem jogar futebol? Com presidentes de clubes a fazer declarações destas? Nós temos uma liga corrupta, submissa a um interesse político de tornar Portugal apenas a área metropolitana alfacinha e o resto paisagem. São umas putas vendidas de Norte a sul do País, que vão ao beija-mão todos contentes. Ainda assim, não são desculpas! Sabem como se vence o anti-jogo? Com golos! Tivéssemos caído em cima deles desde o primeiro minuto - como deveríamos ter feito - e não haveria cá anti-jogo nenhum. Para equipas dominadoras o anti-jogo não influi minimamente. Agora, para ligas destas... só o gozo e o desprezo que se sente por esta Europa fora.

Em segundo lugar, a ansiedade. Ó meus amigos, mas que é isto?! Ansiedade de quê, senhores? Ai, ai, ai, que posso ficar em primeiro?! Meus caros, o Bicho deixou-o bem claro: em equipas campeãs do FC Porto, não haveria cá destas mariquices - sabiam que iam ser campeões, iam para dentro do campo com fome e confiança em que tudo iria pelo melhor. Só alguém muito lunático não percebeu ainda o que quer dizer "Contra tudo e contra todos"! É que está uma grande parte da tugalândia a festejar e cheia de sorrisos, hoje! Não há consciência, entre os jogadores, da enorme diferença entre ir para o galinheiro para arrumar com o ficaben ou correr o risco de ser arrumado? Este era um jogo para ir até ao fim! Aquela segunda parte não se admite! É preciso muito mais para se ser Campeão pelo FC Porto! E, ou é agora, ou esqueçam! 

Para terminar, a táctica! Depois de tanta tentativa e erro, de finalmente encaixar as peças na engrenagem que nos deu goleadas sucessivas, porque raio vai o treinador e volta para trás?! Para acomodar André Silva? Agora temos primadonnas no FC Porto?! Está visto, e revisto, e mais que re-revisto, que o 4x3x3, híbrido que possa ser a espaços, dá uma solidez a meio campo completamente diferente! Lá voltou Óliver onde rende menos, Danilo perdido em campo a tentar ser ele o distribuidor de jogo - não é - encosta-se o Soares à esquerda em vez de estar no seu lugar natural... enfim, uma salgalhada! E com isto lá vai o xeque-mate à vida! Como nas histórias de Samurais, se um vai vencendo, mas não desfere o golpe final, o outro pega na espada, levanta-se e corta-lhe a cabeça! E pronto! É assim!

Não me falem de penalties, por favor. Como disse Iker Casillas na entrevista a Júlio Magalhães, contra Tondelas e Setubals desta vida, pra cima deles e mais nada!

Aconselho vivemente este vídeo. Muito bem Rui Cerqueira no pós-match. Subscrevo cada palavra.

Tudo como dantes no quartel d'Abrantes, É ir para cima da mouraria. Que agora estão inchados e confiantes. O que acontecer depois... é problema deles!

domingo, 19 de março de 2017

A Vitória Obrigatória

Hoje é dia Dia do Pai. Eu, como outros orgulhosos e felizes pais, lá estarei com a minha pequena Portista, num Dragão de lotação esgotada. Quando é que isso aconteceu num jogo contra o Vitória de Setúbal? Não me recordo da última vez. Saúdo, naturalmente, e encorajo a que se repita mais vezes, a iniciativa de dar oportunidade aos detentores de lugar anual de poderem comprar mais um bilhete a preço de sócio, mas tenho a certeza que a lotação não vem desse facto, mas antes do sentimento de união entre adeptos e Clube, e a sensação de que temos tudo para ser Campeões.

Já seria um jogo de vitória obrigatória antes, mas tendo as papoilas escorregado ontem, a sinopse do jogo poder-se-á fazer da seguinte maneira: só uma equipa que aproveite as oportunidades poderá ser campeã. É completamente diferente chegar ao jogo no galinheiro à frente ou atrás. Sente-se a ansiedade no lado adversário e ser líder durante 15 dias, isolado, e ir ao galinheiro tentar ficar  quatro pontos à frente, seria ouro sobre azul.

O Vitória de Setúbal é uma boa equipa, muito bem organizada, que já nos roubou pontos a esta época, e também roubou pontos aos nossos adversários. Está, confortavelmente, na 11ª posição, já garantiu os 30 pontos que lhes garantem a permanência, mas não tenho dúvidas que acalentem esperanças de chegar a lugares europeus, apesar de tudo. Está portanto longe de estar ganho e necessita de responsabilidade e seriedade a procura deste tão importante resultado. O Dragão lá estará para o necessário apoio. Chegar ao fim desta jornada líderes isolados é o único resultado possível para justificar a nossa legitimidade de ser Campeões.

NOTA: Acho curiosíssimo que a mesma equipa que brada sobre o clima de "intimidação e violência" dos Super Dragões tenha claques que depois fazem isto! Estou ansioso por ver o que vão dizer acerca disso os arautos da verdade desportiva que andavam a clamar pela interdição do Dragão, uma vez que, isto sim, é um comportamento reiteirado, insistente e perigoso. É evidente que, surprise surprise, não houve nenhum tipo de referência a esse episódio na capa dos prostitutos do sistema. Mas será algo para lembrar.

sexta-feira, 17 de março de 2017

O Capitão Humilde

Nunca gostei de fanfarrões. Não gosto de seres narcisistas, que chamam a si a atenção de tudo, que reclamam holofotes e fazem poses. Gosto de pessoas esforçadas, que se superem, aprecio talento e vontade, mas gosto mais de quem se supera com treino e disciplina, e de quem faz o seu trabalho sem ondulações. É evidente que isso tem o seu lado lunar, é mais difícil dar-se destaque a alguém discreto, porque ele vai sempre valorizar o colectivo mais do que o seu próprio esforço, que vai considerar natural.

E isso é o que mais gosto em Ivan Marcano. É de uma classe e uma correcção a toda a prova, sem no entanto deixar de ser muito bom naquilo que faz. Gosto dele desde o início - talvez por ser imune à hispanofobia que houve pelos lados do Dragão - e acho-oi digno da braçadeira. No primeiro ano esteve ao mesmo nível que agora, só que agora tem um gravitas diferente. Já é mais duro e impositivo, já é um Capitão à Porto. É interessante perceber, na entrevista, que tal como Casillas, Marcano não acha que o grupo deixou de estar unido, ou que este esteja mais unido que anteriores. 

Fala sim da comunhão com os adeptos que se vê agora e antes não se via. Destacou o ambiente do Bessa como exemplo dessa união. E eu aproveito e destaco uma imagem que me ficou na retina - a de Marcano, furioso, a dar um chega-pra-lá bem forte a um jogador do Boavista no meio da molhada.

Um exemplo de correcção e simplicidade fora de campo. Um exemplo de entrega e de luta dentro do campo, Humildade e trabalho. Classe e saber estar. Um digno Capitão. Ivan Marcano. Um Capitão à Porto.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Valorizar O Que Importa


Se há coisa que distingue um adepto Portista dos demais, é a sua exigência. Eu sei que confunde os adeptos dos rivais, mas um Portista, mais do que vitórias, exige entrega total e que se deixe tudo em campo. Confunde-os, porque não sabem - nem sonham! - o que esta união forte, sanguínea, entre a equipa e os adeptos representa. Aqui, o que se quer é que se vença ou se morra tentando. E quando vemos que isso acontece, sabemos indubitavelmente reconhecer.

Ninguém está feliz com uma derrota, ninguém se desculpa com nenhuma circunstância, embora, sim, no fundo somos realistas e sabemos que não somos do Big 5. Mas ver Felipe a subir no terreno à Beckenbauer, com a eliminatória resolvida, ou a procura incessante de golo por parte de Jota e de André André, só nos pode deixar orgulhosos. Não tivemos nenhuma vitória moral, mas temos orgulho na nossa equipa.

Eu entendo a confusão, imediatamente aumentada por tudo o que é media. Afinal, um amigo dizia-me, há uns dias, que tinha ficado indignado por um blogger do seu clube - é verdade, sofre da doença papoilar - ter escrito que queria o tetra "nem que os golos sejam marcados pelo apanha bolas". Ficou furioso, mas a verdade é que este é o espírito por aquelas bandas, habituados que estão a ganhar com qualquer mãozinha que seja preciso dar - e a fazer t-shirts acerca disso! Por isso, convém, e muito, que se desvalorize as boas prestações, as goleadas e até mesmo as boas impressões que alguns jogadores causam.

Também não entra muito bem na narrativa este género de coisas, quando se quer passar a mensagem do clima de intimidação das nossas claques - que estão legais e têm personalidade jurídica. A verdade é que está a acontecer tudo aquilo que eles não queriam: não houve nenhuma goleada que nos tenha posto contra o treinador e a equipa - aliás NES esteve muito bem ontem, nas substituições também - os adeptos dão valor à equipa e, como podem ver, a equipa sente o "plus" dos adeptos.

Não ganhamos nada ainda, mas o bafo do Dragão está forte, e é preciso o milagre das rosas para desbloquear as coisas. Tudo bem. Pelo que vi, eu e muitos Portistas estamos confiantes. Vemos entrega e responsabilidade. Vemos que deixam tudo em campo. E é isso que lhes exigimos. Assim, teremos condições para ser Campeões.

PS: Anda por aí, por falar em narrativas, a coisa do "jogo treino". Vamos a factos? Contra 11, a Juve marcou zero golos. Antes da expulsão de Alex Telles, o ritmo da Juve não era de corre-corre, como também não foi o do Dortmund! A Juve ganhou com um golo de indiscutível penalti. Ponto. Tivemos duas ocasiões flagrantes de golo. Estes são os factos. O resto, é só mais um felácio, para os meninos não ficarem com medinho.