segunda-feira, 24 de abril de 2017

Um Filme Já Visto Demasiadas Vezes

Ficaram dois penaltis por marcar do tamanho da Torre dos Clérigos. Ridículos de tão absurdos. Um sobre Otávio e outro sobre Marcano. Qual deles o mais ostensivo. Rui Costa estava ali. Viu. Não fez rigorosa e absolutamente nada! Teve uma dualidade de critérios aberrante. E tudo isto se repete.

Está contado, então, o jogo? Nem pensar! Não jogamos NADA! Mas esta frase não se reduz ao jogo de ontem! É uma simples e clara constatação transversal! Fico atónito, do meu lugar que tanto amo, ao ver todas as equipas chegarem ao Dragão com ideias concretas, ligações a meio campo e simplicidade de processos nos contra-ataques.

Que vejo eu do FC Porto? Uma ideia defensiva - do Danilo para trás! - forte. Ponto final, parágrafo. Mas suspeito - e vamos ver agora a seguir, em Chaves - que é assente em dois bravos homens que não estarão, seguramente, cá para o ano, Danilo e Felipe, e num terceiro que vai ser, aposto, um daqueles nomes que estará ligado à História do FC Porto - Ivan Marcano. 

Dali para a frente - zero! Não há ligação do meio campo, é absolutamente aterrador como, ora se atropelam Óliver e André, ora parecem duas luas de um qualquer planeta em órbitas difusas! É espantoso como Soares e André Silva vão às mesmas bolas nos mesmos sítios e conseguem atropelar-se e tirar o golo um ao outro! E Jota está tão confuso quanto eu sobre o que fazer!

O que sobra? As laterais e os cruzamentos. Sempre da mesma forma. Sempre, de tal maneira que já todos, de olhos fechados, sabemos o que vai acontecer. É difícil parar isso? Nem pensar!

E os 150 327 cantos? Sempre marcados do género "bola lá pro meio e aqui vai alho"? Onde Marcano choca com Filipe, e Danilo está lá a estorvar muito mais do que acertar?

Tudo isto tem um nome: Nuno Espírito Santo. Durante um tempo iludiu-me. Não ilude mais. Após a chegada de Soares, marcou-se e jogou-se porque temos bons jogadores que já todos, sem excepção, fizeram jogos extraordinários de Brasão Abençoado ao peito! Já todos os que ontem jogaram, marcaram belos golos, já a grande maioria foi o melhor em campo,

O que é constante? A cara de pânico e o vazio de ideias de um one trick pony chamado NES. O senhor #somosporto. Que se contentou com a "fortaleza" e a "ideia defensiva". Só que agora, na hora da verdade, quando os jogadores estão cansados e perdidos, era preciso uma voz forte! E essa não existe. Nem nunca existiu!

NES não se pode queixar de nada: teve um apoio do Dragão como eu nunca vi - nem Mourinho ou Villas-Boas o tiveram assim! - teve o respaldo de um ataque aos nossos adversários de fora de campo ímpar nos últimos anos - e que espero que continue! - teve uma onda azul e levá-lo em ombros e a dar-lhe a tolerância e paciência que não tiveram com mais ninguém!

Que fez ele com isto tudo? Deitou fora! Durante meses Francisco Marques, Bernardino Barros, José Cruz, Cândido Costa, Paulo Miguel Castro, José Fernando Rio e Rui Cerqueira foram falando de casos absurdos que mereceram zero de defesa por parte do nosso treinador! Vir agora falar de arbitragens, quando já é seguro, quando já não aleija e já não é senão patético? Uma vergonha! Então e pós Chaves, na Taça? E pós Alvalade? E nas outras 29 jornadas!? Agora é tarde! E eu sei que não é sincero! 

A responsabilidade da escolha do treinador é de uma só pessoa - o Presidente Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa. Por muito Polvo que haja, não há, pelo menos, desde 2010? E não ganhamos por causa do Polvo? Acho muito bem que se combata o Polvo, mas é preciso também que se perceba uma verdade de La Palice: não é qualquer "macaco" que treina o Futebol Clube do Porto! Há que saber, ter provas dadas, perfil RAÇUDO!  Além disso, é bom que os corpos directivos entendam também, de uma vez por todas: aos adeptos, não interessa nada pela mão de quem venha um treinador de qualidade, essa deverá ser a PRINCIPAL condição para treinar o FC Porto! E, desde já assumo: a mim não me interessa nada se os outros são tetra ou penta ou hexa ou hepta. Interessa-me ter uma equipa competitiva, que ganhe e que nunca vire a cara à luta. Se for preciso tempo, que se assuma! Se for preciso perder para depois ganhar, que se assuma! Há quem tenha estado 19 anos sem ganhar nada! E não deixaram de ser Portistas!

Se estamos contra tudo e contra todos, temos de ir de faca de mato nos dentes, temos de ter um treinador que incuta esse espírito nos jogadores, e temos deixar de querer ser agradáveis! Essa é uma realidade que nunca existirá! E, já agora, Presidente: o Norte está-se a cagar para nós! Há muito que se vendeu à capital! Concentremos-nos em nós, que já não é pouco! Tem a palavra o senhor Presidente!

domingo, 23 de abril de 2017

Até Ao Fim

Pedro Sousa dizia ontem na TVI24 que este teria sido, provavelmente, o derby mais mal jogado que já vira. Eu subscrevo. Um jogo patético, amorfo, mal jogado (como é possível que William tire o lugar a Danilo na selecção?!) sem reais oportunidades de golo de parte e banda e com golos feitos de bola parada e com uma arbitragem do mais discutível que pode haver (a mim, parece-me que teve a brilhante ideia de inclinar uma parte para cada lado, embora seja surrealista o senhor Ederson não ter levado sequer um amarelo!)

A verdade é que, chegados a esta altura, poderíamos e deveríamos estar em primeiro, e a culpa não é unicamente das manhosas arbitragens a que temos sido sujeitos. Cabe a nós fazer a nossa parte, continuar na luta até ao fim e entregar-nos de corpo e Alma a um duplo adjectivo - ficar a um ponto do primeiro e a sete do terceiro. Só a vitória interessa, mas a verdade é que se não formos capazes de derrotar o Feirense em casa não estamos a fazer nada para tentar conquistar o título. Contudo, não posso deixar de sorrir quando vejo os foguetes e buzinas na minha rua, após o jogo, e oiço os gritos de "Campeões, campeões!. Ontem tive oportunidade de ver o Estoril, e não estou a ver a, muito bem orientada, equipa de Pedro Emanuel a dar de barato os 3 pontos, ou sequer os meus caxineirinhos. E em Guimarães também me parece que os fãs não abundam. Os lampiões do Norte são os seus arquirivais. Da mesma forma que não admito o baixar de braços e o desistir, não deixo de sorrir com quem parece não ter aprendido ainda nadinha.

Quanto a nós, perdemos Corona no treino de ontem - uma baixa significativa - e com isto os dois extremos habituais, mas há soluções boas de ataque em Otávio e Diogo Jota, ou mesmo João Carlos Teixeira e Layún (que fez brilhantemente de extremo direito contra o Chelsea, em casa). Para além disso, a recuperação de André André como falso extremo direito não é mau pensado e deu-nos muitas alegrias, em especial em jogos de elevada importância. Haja espírito e Alma e não haverá lugar a perder mais uma oportunidade. Temos Felipe, Danilo, Alex Telles e Corona à bica, e os dois primeiros preocupam-me de sobremaneira. Mas agora não é a hora de cautelas. Só a vitória interessa.

Na madrugada de ontem, aconteceu um homicídio de um adepto italiano próximo do sportem, alegadamente num confronto entre claques, por um ficaben. Essa é verdade dos factos, embora eu, por respeito do processo em curso e da dor da família, não me queira alongar sobre isso. Espero - desejo - que haja o mínimo de decência e de respeito pela democracia em que vivemos - onde o FC Porto cresceu e floresceu - e não haja ainda mais um protegido do regime, numa questão tão grave como um crime. Paz à Alma de quem pereceu e justiça para o(s) criminoso(s). Não se pode pedir mais daí. Mas pode perdir-se mais sobre tudo o resto!

O branqueamento que aconteceu a esta notícia é de uma baixeza inqualificável, e torna bem patente o quanto as televisões e jornais, na sua grande maioria, são servis a um tentacular estado lampiânico. Compreendo a indignação dos adeptos sportenguistas, que insultavam os repórteres de rua de lampiões. A inércia absolutamente patética com que iam actualizando a notícia deste crime é disso bem demonstrativa! Primeiro era um mero atropelamento. Depois, lá foram falando de que seria mesmo de uma claque. Só muito, muito depois é que se falou a verdade, que todos conhecemos. 

Não há sequer qualquer comparação com algo que tenha ocorrido à volta do Canelas. Nunca houve - e desejo que nunca haja  - nenhuma morte resultante de nenhum arrufo entre as claques do FC Porto e qualquer outro grupo organizado. E falo disto pelo simples facto de que, após a agressão do ex-jogador do Canelas ao árbitro, houve análises, capas de todos os jornais, destaques, especiais, todo um coro de indignação. Após a perda de uma vida, é vergonhoso que Público e Diário de Notícias não tenham sequer uma chamada de capa sobre o assunto! E quanto aos jornais desportivos, é a vergonha que se vê em cima! Não é difícil de adivinhar o que seria se o presumível assassino fosse dos Super Dragões ou do Colectivo 95! 

O facto de haver favorecimento clubístico até em notícias desta importância, só pode deixar uma pessoa doente!

Mais, as declarações do bieirinha são aberrantes. Quem se mete com o benfas, leva? A culpa é do sportem? Mas que raio de conversa é esta? É assim, são pequenos em tudo. E, evidentemente, dá margem para que depois, os meninos continuem a cantar a música do very-light durante o minuto de silêncio e coisas quejandas. Mas se o presidente do clube tem um discurso destes e também se revela quando a boca lhe foge para a verdade, que se pode esperar de diferente?

É contra estas vergonhas que lutamos. E é por isso que temos de dar tudo hoje. A nossa batalha trava-se em campo. Também, para que tudo isto não seja recompensado! Pra cima deles!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

No Bom Caminho

A notícia do recurso do castigo de Brahimi apresentado pelo FC Porto - e assinado por Pinto da Costa - é uma notícia que me deixa satisfeito, porque me dá sinais do retorno do FC Porto que tanto amo há muitos anos. Se a queixa sobre o "senhor" Antunes é mais do que natural, o recurso da decisão sobre Brahimi é uma questão de princípio, uma tomada de posição bem pública e uma afirmação que o FC Porto deixou de se ficar. Tivemos durante muito tempo um FC Porto passivo e calado, e isso habituou a classe dirigente e corpos federativos a encarar-nos como o bombo da festa. Foi chegada a hora de dizer basta! 


Evidentemente, o Universo Porto da Bancada tem sido, de uma forma consistente, uma pedrada no charco, e já começa a deixar todos em sentido e com o respeito devido. Não chega, evidentemente - tenho esperança que a ideia se multiplique - mas traduz o sentimento dos adeptos, de que querem ver uma competição minimamente justa, onde as falhas humanas são, evidentemente, aceites, mas onde o compadrio é denunciado abertamente e o abuso de quem quer ser dono disto tudo também.


O melhor sinal desta inversão é a capa do rascord onde, desde que me lembro, é a primeira vez que o FC Porto não vem mencionado em lado nenhum da mesma! Afinal, o FC Porto denuncia árbitros parciais e de atitudes vergonhosas, reclama de assaltos à mão armada, desmascara as tentativas de controlo de reguladores, denuncia comportamentos de claques ilegais.... Não convém chamar à capa esse estilo de coisas - é fingir que não existem.


Não faz mal, nós agradecemos, com uma vénia, a deferência - neste caso, temor é sinal de respeito. Esta deixou de ser, definitivamente, a casa da mãe Joana. Mas nós não queremos mais do que o elementar - o respeito de não tentarem fazer de nós palhaços.


Bem sei que o caminho é longo e cheio de pedras afiadas, que terá, provavelmente, tiros no pé e alguns passos mal medidos, mas onde há atitude e frontalidade - como, por exemplo, a de NES hoje, na conferência de imprensa, algo ao retardador que tenha sido - há também um FC Porto à Porto.

Que seja um caminho irreversível para voltar a ser quem somos, o grande Futebol Clube do Porto. Lá estarei, de azul e branco da cabeça aos pés, no sítio do costume, domingo. Com muito orgulho! Assim, sim! Pra cima deles, carailhe!

PS: Nunca é demais lembrar, a quem quiser, a máscara de Brahimi, da autoria do grande Bruno Sousa, está disponível aqui. Sejamos todos Yacine Brahimi no domingo! 

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Dados Viciados

Ontem o Universo Porto - Da Bancada foi lapidar - este campeonato é um absoluto ESCÂNDALO. Está a vista de todos. Demonstrou-se ontem o poder e a abrangência do benfas, ao controlar Luciano Gonçalves da maneira que se viu. Demonstrou-se o quanto a arbitragem está no bolso do benfas, com este escandaloso castigo a Brahimi e a Luís Gonçalves e também na questão desportiva com a dualidade de critérios gritantes entre uns e outros.

Como seria de esperar, a lavagem aconteceu logo no dia seguinte, com as chamadas à capa das prostitutas do regime da frase de LG e o completo ignorar no caso da bolha e o menorizar, no caso do rascord, da questão dos mails. E é isto, tudo na paz, nada acontece, nada muda, tudo permanece igual.

No post de ontem falei sobre a questão psicológica dos jogadores do FC Porto, e esta parece-me importante. Com este estado de coisas, ao se saber participar num jogo com os dados viciados, como contrariar este estado de coisas? Com garra, vontade e muito Querer. Não há mesmo outro caminho senão o de ser muito melhor para poder ter os mesmos resultados. É injusto? Sem dúvida! Mas a equipa tem de saber que nós saberemos o quanto eles lutaram a mais do que os outros!

Por falar em lavagens, lá esteve a ratazana no seu "Tempo Extra" a branquear toda esta questão. Apesar de ser evidente que as imagens contrariam a narrativa do senhor Antunes, não se coibiu de dizer que "há que acreditar na idoneidade do que escrevem os árbitros" e que, assim sendo, "os jogadores têm de perceber que não podem ter este tipo de comportamento". Como é difícil descortinar qual - uma vez que não há imagens que o provem - não vamos falar de qual é. E nem da mensagem que se provou ser do árbitro de uma conta que ele admitiu ter apagado! Importante foi destacar o comportamento de "velho Porto" de Luís Gonçalves por oposição à "boa atitude" de Pinto da Costa (tire-se acerca disso a conclusão que se quiser...).

É curioso, não é? Conheceu-se, em tempo recorde, o relatório dos árbitros - afinal, pode conhecer-se? - ao contrário de outras vezes. Não se sabe o que diz Rui Vitória nas suas longas conversas ou a atitude de Pizzi à entrada do túnel de saída do relvado. Aqui soube-se tudo, ipsis verbis. Só que, tendo em conta a dificuldade auditiva do árbitro relator.... é de estranhar tal detalhe. Absolutamente tudo  o que a ratazana diz é para denegrir o FC Porto! É assim que se quer fazer a "verdade deportiva"?

P.S. Continua o imenso silêncio à volta da gravíssima questão dos e-mails. As papoilas fizeram uma queixa por...pirataria. Pois. Difícil contrariar a verdade

terça-feira, 18 de abril de 2017

O Abatimento Pela Impunidade [ACTUALIZAÇÃO]

Esta imagem aqui em cima regista bem o clima que se vive no futebol português. O nosso amigo Tiago Antunes teve esta bela resposta a um adepto que o confrontou com os erros grosseiros da sua "arbitragem" - sim, era apenas o quarto árbitro mas foi absolutamente decisivo - e deixou completamente provados todos os nossos argumentos e desconfianças, enquanto Portistas - estamos, realmente, entregues a um Polvo cada vez mais descarado, despudorado e desavergonhado,

Os comentários do "senhor" Antunes deveriam - pelo seu evidente tom racista e xenófobo  - exigir a sua mais imediata irradiação da arbitragem. Ficam demonstrados o seu desprezo pela liberdade religiosa e filosófica, mas também a completa e total parcialidade no julgamento, que o impede de ser árbitro.

Á luz destes factos, qualquer que fosse a penalização a Brahimi deveria ser anulada e este árbitro liminarmente castigado! Só que, como o estado do futebol português é o que se conhece, o "senhor" Antunes vai passar impune e, quiçá, até arbitrar esta jornada alguma infeliz equipa qualquer.

É esta capa de proteccionismo que não mata mas mói. 

Ontem, Paulo Miguel Castro, Cândido Costa e Rui Ferreira analisaram , brilhantemente, o claríssimo traço de ligação entre o momento psicológico dos jogadores e as vergonhosas arbitragens a que têm sido sujeitos desde o início da época. Particularmente arrepiantes as primeiras palavras de Paulo Miguel Castro, a frontalidade de Cândido Costa e a análise deste ao lance do Felipe.

Absolutamente desolador. Vamos, sem dúvida, continuar a lutar até ao fim. Sabemos, evidentemente, não nos desculpar nas arbitragens. Mas campos inclinados, clubismo exacerbado em árbitros e despudorado gozo dos agentes de jogo ao FC Porto têm de ser combatidos com muito mais do quie meras palavras na televisão do Clube.

Tem de haver uma demonstração de força e de Querer inequívoca e uma posição de intransigência directiva. A falhar qualquer uma destas, o FC Porto passa a ser conivente com este estado de coisas. E isso é absolutamente inaceitável. O caminho para os Aliados não é feito de gente mansa! É feito contra tudo e contra todos!

{ACTUALIZAÇÃO] E pronto, é a puta da loucura. É "pela atitude" não pelas "palavras imperceptíveis". Entreguem as faixas. Não há, literalmente, pachorra.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Compassos De Espera

Quando os erros se tendem a repetir e as acções tendem a ser as mesmas... e tudo já foi dito... nada como deixar a marcha do tempo fluir... o que for será. Aguardarei, pacientemente, que os mesmos erros não se comentam e a História não se repita....

sábado, 15 de abril de 2017

Análise SC Braga 1-1 FC Porto - Tarde Piaste

E é isto que dá oferecer 45 minutos de avanço. O FC Porto não pode começar a carburar tarde e mal, não pode entrar a carvão e lento. Não é este o FC Porto com que cresci, o FC Porto de Robson ou de Villas Boas entrava como este acabou. Uma vez mais, Óliver péssimo e uma táctica perdida, algures entre o híbrido que não se permite a quem quer ser campeão.

Não acabou, longe disso, mas a verdade é que já nunca seremos líderes isolados para a semana. E assim vamos escorregando, lentos, permissivos e muito titubeantes. Ou crescemos ou não chegamos lá. Dependíamos de nós, deixamos de depender. Dependemos da derrota dos adversários para sermos campeões... e pode não chegar.

No entanto, parabéns à APAF. Felipe leva um amarelo com um minuto de jogo, enquanto o Braga pôde fazer o que lhes deu na gana, inclusive penaltis e vermelhos directos.  Enfim, campos inclinados. Só que, meus amigos, o meu FC Porto não dependia disto. Se é contra tudo e contra todos, é preciso MAIS!