terça-feira, 24 de abril de 2018

Análise FC Porto 5-1 Vitória FC - O Factor Marega


Pronto, está visto. o FC Porto de 2017/2018 é uma peça de elevadíssimo design, que pode ser funcional se lhe faltar um dos componentes principais, mas não brilha da mesma forma. Marega muda tudo na equipa. Volta a profundidade, a pressão sufocante e... a bendita vertígem. Tal qual o Silva, sou um convertido. Em 20 minutos estava resolvido, em 40 arrumado e em 70 atado com um lacinho. E deu para poupar jogadores e Tudo. Rodar e tal. Vamos a notas.


Marega, oh Marega - Quem diria, pá! Confesso, era contra a tua saída apenas porque achava que davas mais, mas nunca me passou pela cabeça... isto! Ao ponto de se tornar ESSENCIAL? Tem mais técnica do que aparenta, é melhor do que parece, tem pormenores deliciosos e uma velocidade e força incríveis. Como ele, o jogo do FC Porto tem um aditivo. Parabéns Moussa! És o maior, pá! Até da tua azia por queres jogar mais eu gostei!

Capitan Zorro - De uma entrega e intensidade absolutamente irrepreensíveis, o bom do Héctor continua a dar-se bem a jogar em qualquer lado, de qualquer forma, a qualquer velocidade. A confiança e o reconhecimento - inteiramente merecido - por parte dos adeptos reduziu-lhe o número de paragens cerebrais apenas para uma. A sua influência na equipa é de tal ordem que, sem ele, a ser assistido na lateral, ficamos completamente perdidos e descompensados em campo, e sofremos um golo ridículo. Se isto não é imprescindível, não sei o que imprescindível é. Sérgio Oliveira também esteve a bom nível, mas apenas na segunda parte.

Pra cima deles, carailhe! - Bem podem os Guerras desta vida ter todas as certezas que vamos perder no domingo - porquê, amigo? Foi diferente o ano todo? É por ter mais mala? Eles já são umas prostitutas anais baratas sem muita mala! É pelo padre? Bem pode vir o Arcebispo de Braga! Se entrarmos como entramos ontem, não há árbitros que nos tirem o que é nosso. Mas, já agora, num país de jeito, o senhor badocha já estava a ser interrogado por tantas certezas absolutas!


Pinheirinho, pinheirinho, de ramos verdinhos! - Pois é, o senhor Matrioska de menino querido, Mostoboi a contar da prima, bem nos quis lixar! Ainda deu o compassozinho de espera para ver se o Marega estava em fora de jogo, e o seu semblante no apito final bem deu conta da sua missão falhada! É que contra furacões não há muito a fazer! Ainda assim, é de comendar a capacidade de puta de lata que este "homem" tem em ter um critério tão dual nas faltas, faltinhas e faltecas, e nos amarelos para os verdes! Que interessa o futebol português, não é verdade? Desde que ganhe o "maior que Portugal"? Temos pena. Até a uma próxima. Vamos voltar a olhar-te nos olhos e a dizer:


Eles já estão tão borradinhos que até já inventam "planos para acabar com a hegemonia" e certezas absolutas de derrotas antecipadas! Eles que benham, carailhe! Bamos mostrar-lhes de que suomos feitos!

Where is this Burger King?!



sábado, 21 de abril de 2018

A Perspectiva Necessária


É então chegada a hora. A recta final do objectivo principal e último está aí, e nós somos os que estamos melhor colocados para o atingir. Temos um calendário acessível, porque somos melhores e também porque, para além disso, os nossos concorrentes directos jogam entre si.

Mas está na altura de pôr as coisas em perspectiva e, se é verdade que é nossa obrigação vencer este campeonato, o é também pelo grande milagre de Conceição.

Sérgio Conceição pegou numa equipa sem qualquer reforço, tento perdido uma das suas estrelas, André Silva, e a única alternativa clara à posição 6, o fantástico Rúben Neves. Teve a humildade de saber que temos um rigoroso plano orçamental para cumprir e, desta maneira, arregaçou as mangas e fez das nossas fraquezas forças, e transformou água em vinho. dando nova vida a rejeitados, como Vincent Aboubakar e, principalmente, Héctor Herrera e Marega.

Com isto, fez com que ostracizados e rejeitados tomassem a dianteira e fossem, literalmente, o nosso farol. Quebrou recordes de golos, fez e faz - e espero que continue a fazer - um futebol de ataque e pressão, às vezes até exagerado mas, como diz o Silva no novo A Culpa é do Cavani, é assim e pronto. 

Sérgio Conceição uniu a equipa, devolveu ambição e determinação à mesma, e fez o grupo ser maior do que as suas individualidades. Ainda não vencemos competições, mas apenas por golos roubados e pelo sortilégio de penaltis. Fomos, pela enésima vez, manifestamente roubados pela arbitragem em mais de dezena e meia de penaltis, por vezes em alturas cruciais, que nos custaram pontos que, se não tivessem já entregue este campeonato à equipa que melhor futebol pratica, estaria lá perto. Mas, mesmo assim, seguimos em frente, e derrotamos aqueles que, comprovadamente, controlam e sempre quiseram controlar o sistema, em sua casa, plenos de raça e de espírito à Porto

Nenhuma equipa merece mais este campeonato que nós, nenhuma equipa fez mais, hercúleamente, que nós para o vencer. Temos, então, uma recta final de equipa a quem já vencemos este campeonato, para voltar ao nosso lugar merecido. E devemos agradecer a Sérgio Conceição esta posição. Muito obrigado mister. Fazer das fraquezas forças é algo que lhe estarei eternamente grato por ter conseguido. 

Vamos ganhar, vamos em frente, sem medo de nenhum polvo, cada dia mais ostensivo e ridículo, entremos para bater, como na Amoreira e em Portimão. Deixemos tudo  no campo e resolvamos esta contenda para estarmos juntos nos Aliados. Já temos saudades.

Falta pouco, vamos imbuídos no Mar Azul, inteiramente merecido, a caminho daquilo que já deveria ser nosso. NÃO SÃO FINAIS! São jogos contra equipas de valia inferior, e NÓS SOMOS O FC PORTO. Com humildade e sentido de responsabilidade, sim, sabendo que nenhum penalti nos cairá do céu no último minuto, mas com a certeza de que SOMOS MELHORES e que temos tudo na nossa mão, não dependemos de ninguém para sermos campeões!

PRA CIMA DELES, CARAILHE!

VIVA O FUTEBOL CLUBE DO PORTO! 

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Análise Sporting 1-0 FC Porto - Ganhou Quem Quis Ganhar



Resume-se num tweet, basicamente. Ganhou quem quis ganhar. É inacreditável que alguém que ganha um jogo porque o adversário quis empatar.... acaba por fazer justamente isso. A culpa é exclusivamente de uma pessoa: Sérgio Conceição. Não me venham com Marcano, e os penalties e o carago. Ganhou quem procurou a vitória. E quem defendeu... perdeu. 

O Sporting irá ter dois títulos este ano. Nós poderemos ter um. Se tivermos. Ou temos identidade de campeão ou mais vale a pena ficar em casa.

O FC Porto não é MEDRICAS!

É pra cima deles, carago!!!!

domingo, 15 de abril de 2018

Análise coisinhos 0-1 FC Porto - Tiro No Porta Polvos


Que dia louco. Não era a pessoa mais confiante do mundo até cá chegar, confesso. Todas as manigâncias extra-quatro linhas deixaram-me triste e furioso. As operações e mutizações várias, as trocas e baldrocas useiras e vezeiras, agastaram-me. Felizmente, não aos 14 heróis que hoje jogaram. 
Esses, foram verdadeiros campeões. 

Nada está decidido, faltam quatro jogos (Sim, o Silva tem razão, não são finais, são doze pontos e acabou-se), quarta feira temos mais uma eliminatória contra uma grande equipa. Mas que saborosa foi esta! Que memorável! Esta, ninguém nos tira! Contra a máquina, contra o sistema, contra esse polvo nojento, derrotados pela lança certeira do nosso Capitão!

Bravo, rapazes! Agora, garantir o lugar no Jamor! Vamos a eles! Adiante, para as notas!


Capitão Herrera - Hoje, ganhou definitivamente o coração de todos aqueles onde ainda não habitava. Não só o golo, magnífico, forte, decisivo, pleno de Porto, mas também toda a sua raça e luta - até já manda vir com os árbitros e tudo! - fazem de Héctor Miguel Herrera um digníssimo Capitão do FC Porto! És grande, Miguelito!

San Iker - E por falar em Capitães, aqui está outro! Vais aonde? Não vais a lado nenhum, pá! Só se forem tolinhos da cabeça! Duas extraordinárias defesas, rectidão, verticalidade e uma voz de comando à patrão, fazem tremer o galinheiro! Eles até já têm pesadelos com a tua baliza fechadinha a sete chaves! Um dos maiores da História, guarda-redes do FC Porto!

Um Querer Muito Forte - Não há faltas hoje, a não ser de noção de alguns benfas. Houve erros, claros, muitos, em especial nas pessoas de Sérgio Oliveira e Otávio, mas cada um deixou tudo o que podia em campo e nada mais se pode exigir. Foram todos enormes, solidários, lutando até ao fim! O grito de raiva do nosso Capitão foi o eco de toda a nação Portista que vos acompanhou - grande Mar Azul, a calar o galinheiro! - e trouxe a entrega de cada um de vós. Obrigado por este dia. Mais quatro assim, por favor!

Enterros por todo o lado, vozes baixa, net em baixo! É assim mesmo que se gosta! Muita azia para quem esperava que o falso se tornasse verdadeiro! É continuar a mandar postais!

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Análise FC Porto 2-0 Desportivo das Aves - Meh.


Pronto, ganhamos ao Aves. Entramos como nos competia, marcamos cedo por um penalti inequívoco (acho lindo andarem a mostrar o lance só com a repetição em que se vê pior para tentar dizer que não é) e um chouriço logo de seguida e pronto, obrigado e boa tarde, adeus e até para a semana. A qualidade do jogo foi caindo a pique e acabou com Casillas a ver a bola bater no poste. Há jogos assim, que não vão ficar na História nem serão lembrados por ninguém. Ali, só houve o que verdadeiramente interessa: +3. De resto, siga. Vamos a notas.


Laterais de Luxo - Paixão, Entrega e Suor. Três características que tanto Alex Telles como Ricardo Pereira têm de sobra e que os faz ser uma dupla de laterais de luxo. O último, então, assinou uma exibição portentosa, que lamentavelmente não foi agraciada com o golo que merecia. Já o primeiro, marcou o penalti, exigiu  respeito que todos exigimos e foi igual a si próprio: deu tudo de si, até ao fim. Quem diria que não nos lembraríamos de Danilo e Alex Sandro. Lamentavelmente, vão passar aqui como cometas. O Clube não é grande demais para eles, mas o campeonato sim.

Amor é 22 - O minuto 22 foi arrepiante. Isto é o Futebol Clube do Porto - a gratidão e o carinho por quem se entrega de Alma e Coração ao Clube. Danilo Pereira merece-o. Inequivocamente. Ficou emocionado? Também nós, Danilão!


Jogar com 10 - Nas substituições de Sérgio Conceição, há sempre uma que não entendo. Ou melhor, no aquecimento. O trio, entenda-se. Reyes fazia todo o sentido, jogou-se muito com a sorte ao deixar Felipe a um amarelo de falhar o jogo mais decisivo - apenas porque decide muito da vida dos dois clubes em disputa directa -, Óliver fazia todo o sentido para organizar o jogo desorganizado - não se entende porquê de tanto tempo a aquecer, como sempre - mas... Hernâni?? Hernâni tem provado que não é alternativa a nada - bem como Waris.....-  e para extermo rápido mais valia ter subido Ricardo Pereira e ter metido Maxi na lateral... Já agora, Gonçalo joga aos 5 minutos de cada vez?

Enfim, página virada e venha o galinheiro. Vamos buscar o que é nosso por direito este ano! Ninguém o merece mais do que nós.

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Análise Belenenses 2-0 FC Porto - Só Marega não chega.


Não quero acreditar que o FC Porto é um one trick pony, onde só Marega pode fazer a diferença. Não quero acreditar que o FC Porto não pode mudar o meio campo nunca. Não posso acreditar que, numa altura em que é preciso ser DURO, se é calmo e leeeeeeeento desta forma. Não posso crer que se volte a perder o gás na altura decisiva. Assim, não vamos lá.

domingo, 18 de março de 2018

Análise FC Porto 2-0 Boavista - É o Critério, Estúpido!


Jogo feito na antecâmara de mais uma pausa para aquelas coisa importantíssima que são os jogos de preparação (?) e particulares das selecções, teve tudo para correr mal, novamente, mas correu bem. De um lado, uma equipa das melhores equipas de futerâguebi do país, o Rotundas da Boavista. Do outro lado, um líder fragilizado, sempre na expectativa de ver regressar um dos melhores laterais do mundo, Alex Telles, o nosso jogador mais nuclear, Danilo Pereira e, pasme-se, o ex-excomungado tornado Maregod, qual Thor-antes-de-ser-uma-gaja-com-cancro, Moussa Marega, de quem parece depender todo o fio de jogo Portista, mas já lá vamos. Depois, icing on the cake, a calma do mais épico rácio de reversões arbitrais de sempre, no click do ai-é-azul-então-vou-ser-anal-retentivo-coiso Bruno Esteves. Resultado, um jogo que, estatisticamente e, na sua história, parece calmo, mas que foi uma torrente de nervos sem fim. Vamos a notas.


Centrais de AÇO - Felipe esteve no muito bom e no bom, certeiro no golo de abertura, quase a bisar de seguida, não fosse um milagre de Vagner, imperial pelo ar e nos cortes in-extremis, levou uma pantufada na primeira parte que o deixou a ganir e ainda levou com Casillas nas costas, o que lhe agravou as dores na coxa esquerda. Ainda assim, foi estóico, e aguentou até ao fim. Isso é ser um jogador à Porto. Também Marcano acabou o jogo com queixas, depois da enésima pantufada de um rotundeiro, e de cair mal depois de mais um corte. Aquele sprint a salvar o golo in-extremis só me faz pensar porque raio não renovamos com certas pessoas que dão tudo por nós.

Herrera - Goste-se ou não - eu gosto, foda-se! - Herrera  é central no jogo do FC Porto, este ano. Atrás, pelo meio ou à frente, o Capitão - que até já reclama com o árbitro, atenção! - deixou cair, de vez, a roupa de patinho feio e reluz em toda a sua bela cisnice. Não fossem as travadinhas que lhe dá todos os jogos, e ficaria na história como um dos nossos melhores. Se calhar, à distância, lembrar-nos-emos dos seus importantes e decisivos golos, do seu carácter ímpar, do seu espírito de sacrifício da sua entrega exemplares, muito mais do que das travadinhas. A História talvez lhe faça justiça. Para mim, já está a fazer. Não és um Lucho, mas és querido por todos - e isso é muito raro. Grande Héctor Miguel!

Saber mudar - Desta vez, Sérgio Conceição soube ver o que estava mal e mudou. A entrada cedo de um melhor Óliver para o lugar de um insípido Otávio ajudou a dar consistência e critério ao meio campo - e a libertar Herrera para outras missões mais ofensivas - Gonçalo teve mais minutos e Corona pareceu também querer dar o ar da sua graça. Tudo somado, boas decisões em bom tempo. Especialmente a primeira.


Demasiada fé no modus Maregod - Há um sistema de jogo que está perfeitamente adequado a aproveitar o melhor de um jogador que tem nos seus pontos fortes uma enorme força. E isso é bom e deu mais de 20 golos, muito medo nos adversários e uma confiança em alguém que também é excelente profissional e vai até ao limite pelo Clube. Muito bom. Agora, quando não existe, tentar usar a mesma fórmula com outros, ainda mais quando estes têm rotinas bem vincadas em formas completamente distintas, soa a falso e desadequado. E foi isso que aconteceu. Ricardo Pereira não se adaptou a ser Marega. E não tem de ser. Otávio, menos ainda. Asneira anunciada e previsível. Felizmente sem consequências de maior. Acredito que, daqui a 15 dias, com a força que ele tem, já voltemos a ter o maliano em campo. Jogar sem ele como se ele lá estivesse foi muito, muito mau. Quem diria que viríamos a ser Maregodependentes!

É o critério, estúpido! - As decisões revertidas foram correctamente revertidas? Foram, sim senhora! Foi por causa disso que jogamos pior ou melhor? Nem por sombras! Agora, deixo a seguinte pergunta: quem é que acredita que isto se passaria com as equipas da segunda circular?! Pois! É o critério, estúpido! Com e sem a vírgula! Na vertente disciplinar, sem comentários. Se fosse pela ordem do cacete, Ídris e o loiro platinado tinham ido tomar banho mais cedo. E deixo uma pergunta no ar, só em jeito de reflexão: qual é o espírito da lei dos dois toques? É uma escorregadela? Quem pode dizer isso sem se rir? Sérgio Oliveira não tirou nenhuma vantagem em escorregar! Muito pelo contrário! Enfim, ser anal retentivo é da lei. O critério é que não. Penaié, como diria Domingos Paciência, que poucos entendam que o que aborrece é a segunda e não a primeira!

Agora, descansar e recuperar! E ganhar esta porra, de uma vez por todas, carago!